Status

Dialeto expirado: o ponto final da relação

Quando acaba uma relação, morrem também todas as palavras inventadas, os símbolos resignificados, a gramática particular. O luto é sentido na garganta. Naquela hora que engole seco porque ninguém mais vai entender se você falar. Pode até começar a ensinar por aí. Mas não é o mesmo: o belo do dialeto dos enamorados é ser único, vivo, criado a dois, para os dois. Soa falso se alguém usar. Chega a ser traição usar o mesmo vocabulário na próxima relação. Dói. Racionalmente já se sabe que acabou, porém, sentir que virou língua morta, é o fim prático do relacionamento. É hora de recomeçar, tudo novo de novo: do oi ao adeus, do ciao ao ciao.

Uma tentativa de versão em inglês (podem me corrigir com carinho):

When a relationship ends, also die every word, every symbol, all the grammar invented throughout of this. Grief is felt in the throat . At that moment when we stop talk because no one else will understand if we say it. You can even start teaching this idiom to someone else. But is not the same: the beautiful of the dialect of love is to be unique, full of life, created by the couple only for them. It looks fake if anyone else use it. It becomes treason use the same vocabulary in another relationship. It hurts. Rationally it’s known that the relationship it’s over, however, feel the end of this language it’s the practical end of everything. It’s time to restart all over again: from hi to goodbye, from ciao to ciao.

Give me the words
That tell me everything
In a manner of speaking
Semantics won’t do
In this life that we live we live we only make do

 

Até a hora acabar

PastaEscolhas sempre me consomem: tempo e reflexão. Não importa se é pra decidir entre penne ou spaghetti, cabelo preso ou solto, gafieira ou tango, Itália ou Brasil, trabalho ou estudo, namoro ou amizade, livro clássico ou contemporâneo, meu cérebro começa a analisar vantagens e desvantagens de cada opção. Vai logo, Andrea, você ainda não escolheu? A sua carona está chegando e o cabelo nem está pronto! Se você não gostar deste livro, depois você troca ou pega outro, não vai morrer por causa disso. E assim vou brigando comigo mesma porque joguei fora tempo que não tem raccolta differenziata e não volta.

Percebi também que eu vou pra um mundo paralelo das decisões. Esqueço que tenho um corpo, que está num lugar, que sente o cheiro, que escuta, tem frio, calor. Eu não estou ali. Viajei pra longe. Mas a signora do caixa está ali, me aspettando impacientemente. “Signora, ho chiamato tre volte! Il supermercato chiude alle otto e mezzo!” (ou algo assim…). Sim, minha gente, eu fui a última a sair, com dois vidros de azeitona na mão – qual marca é melhor, dio mio?

Lógico que nem tudo fica restrito a duas escolhas, ou isto ou aquilo, e nem tudo depende só da minha decisão. Se eu não passo na seletiva da universidade, não tem como me inscrever. Ei! Mas se você, Andrea, realmente quiser, pode se preparar e tentar de novo! yayyyyyy! E assim vou me motivando a seguir em frente.

Però… quando decidimos “sim, eu quero!” e o outro diz não, ou não posso, ou talvez, ou ainda não… vem aquela angústia a travar aquele passo a frente, a encher a cabeça de mais dúvidas e indecisões ainda. Naturalmente vem o impulso de tentar convencer o outro. E assim vou me culpando por não conseguir, não ter a estratégia certa, na hora certa. Percebi que vou perdendo energia até não querer mais. Meu cérebro, senhor de mim, diz que não faz sentido, que perde-se o encanto se for tudo um jogo, uma receita de bolo, um quiz de revista pra saber se você é legal, um post de 10 dicas pra descobrir se o outro é um serial killer.

Fico pensando que voz teria a signora a avisar que a hora acabou, que tem que fechar. E hoje só amanhã.

 

Nota

DIY Vela de Massagem

No fim do ano passado, cismei de fazer velas de massagem (sem parafina). Segui a receitinha da Bianca e dei umas adaptadas. A começar com a cera, que usei de abelha e ela de vegetal. Fiz uma versão com manteiga de cupuaçu e outra com de karitê (essa última é mais hidratante).

Preparação da vela

1. Produtos; 2. Banho-maria na cera; 3. Potinhos fofos; 4. Secando.

  • 50g de cera de abelha
  • 20g de manteiga de Karité ou de Cupuaçu;
  • 100ml de óleo de de amêndoas;
  • 50ml de óleo de maracujá;
  • 30ml de essência para cosméticos (usei Dama da Noite e Patchuli)
  • Pavios para vela;
  • Potes de cerâmica

Coloque a cera para derreter em banho-maria, depois a manteiga e por último a essência. Usei uma espátula de madeira para ir mexendo. Despeje nos potinhos com o pavio no centro e deixe secar (use garfos ou palitos para evitar que o pavio entorte).

Lojas de São Paulo:
Cera de abelha:
Apacame Associação Paulista de Apicultores
Rua Dona Germaine Burchard, 208 – Água Branca
Potinhos:
Scrimin Porcelanas
R. João Ramalho, 1214 – Perdizes
Óleos, manteigas e essências:
Uma das lojas de essências da rua Tabatinguera – Sé
Essências e embalagens:
African Artesanato
Rua Turiassú, 1267 – Perdizes

Muita paciência depois e…

Voilà!

Voilà! Velas de massagem prontinhas!

Agradeço à Ana Paula que me ajudou a fazer as velas e ainda fez um creme hidratante com os produtos que sobraram.

Nota

Facebook Detox – 5 benefícios de dar um tempo na rede

Facebook DetoxEstava começando a ficar viciada no Facebook outra vez (a primeira foi em 2008 com os cuidados da minha fazendinha, do aquário…). Agora era o fato do celular ficar apitando e com marquinha de notificação gritando “clica aqui! Deus está vendo você curiosa!”.  Foram necessárias algumas semanas de detox. Senti saudade de participar da rede. Era ali que sabia como andavam as pessoas queridas, qual era o show da vez, os memes mais bombantes, que recebia os links interessantes dos amigos, as cutucadas, os olás e smacks do Snoopy. Apesar disso, segui firme na dieta restritiva. E hoje posso listar 5 benefícios do Facebook Detox.

1. Mais tempo pra curtir a vida

2. Menos ansiedade em saber as novidades

3. Amigos querem te ver

4. Você quer ver seus amigos

5. Quando termina o detox, você utiliza o Facebook de maneira mais equilibrada

E você? Quais vantagens e desvantagens você apontaria em largar o Facebook?

Fazendinha

Eu fazendeira.

Citação

Rebeija-me… Poesia de mulher

Baise m’encor, rebaise-moi et baise ;
Donne m’en un de tes plus savoureux,
Donne m’en un de tes plus amoureux :
Je t’en rendrai quatre plus chauds que braise.

Las ! te plains-tu ? Çà, que ce mal j’apaise,
En t’en donnant dix autres doucereux.
Ainsi, mêlant nos baisers tant heureux,
Jouissons-nous l’un de l’autre à notre aise.

Lors double vie à chacun en suivra.
Chacun en soi et son ami vivra.
Permets m’Amour penser quelque folie :

Toujours suis mal, vivant discrètement,
Et ne me puis donner contentement
Si hors de moi ne fais quelque saillie.

Louise Labé


 

Beija-me mais, beija-me ainda e beija;
Dá-me um daqueles teus mais saborosos;
Dá-me um daqueles seus mais amorosos,
Dou-te outros quatro em brasa que flameja.

Ah! tu te queixas? Que este mal te seja
Paz ao te dar dez outros deliciosos.
Mesclando nossos beijos mais ditosos
Gozemos um do outro, o amor sobeja.

E vida em dobro cada um terá;
Em si e no amante cada um viverá.
Permite, amor, pensar esta loucura:

Sempre estou mal, em discrição vivendo,
E não me posso dar contentamento,
Se de algo fora eu não for à procura.

Do livro Poetas franceses da Renascença, traduzido por Mário Laranjeira.

Vídeo

Obra de brincar

Paixão e determinação que produzem beleza! ❤

Este senhor italiano aprendeu a soldar e nunca mais parou! Inspirado pelas folhas que caiam, e os movimentos da natureza, começou a produzir sua obra: brinquedos cheios de energia e movimento.